domingo, 24 de julho de 2011

TOMOGRAFIA CARDÍACA

Procedimento complexo que vem somar-se à ressonância magnética e aos exames de imagem cardíaca mais tradicionais como a angiografia, o ecocardiograma e exames de medicina nuclear. É um exame pouco invasivo - conseqüentemente, apresenta poucas complicações - requer pouco tempo para o exame e não necessita de internação. A tomografia cardíaca e realizada no Tomógrafo de última geração CT Multi-Slices de 64 canais é um exame complexo, que, no geral, pode ser realizado de duas maneiras, com diferentes finalidades.

Anatomia

Em uma das formas, as imagens são obtidas sem a utilização do meio de contraste endovenoso, com o objetivo de mensurar a quantidade total de cálcio presente nas artérias coronárias que são as responsáveis pela irrigação cardíaca e determinar o Escore de Cálcio. As principais aplicações do Escore de Cálcio são a quantificação de risco para doença coronariana em pacientes assintomáticos e potencialmente saudáveis e acompanhamento da progressão ou regressão da Doença Arterial Coronariana (DAC).
Score Calcio
De outra forma, utilizando-se o meio de contraste endovenoso, é possível obter imagens do interior das artérias coronárias, o que permite identificar pontos de estreitamento por placas ateromatosas; caracterizar componentes da placa; mapear a anatomia coronariana e suas variantes anatômicas; além de ser um bom método de avaliação pós-cirúrgica para angioplastia e enxertos vasculares. Os casos de cardiopatias congênitas também podem ser avaliados de maneira bastante satisfatória por este método.
Pós-processamento

Associado às informações fornecidas pelo ecocardiograma, o procedimento permite significativas melhorias no diagnóstico, planejamento pré-operatório, avaliação dos resultados cirúrgicos e acompanhamento dos pacientes a longo prazo.

Pós- processamento
A Tomografia Cardíaca é indicada quando existe necessidade de quantificar a carga total de cálcio nas coronárias, para triagem e acompanhamento da DAC; avaliação de estenoses (estreitamentos) e obstruções coronarianas; avaliação do resultado e acompanhamento de angioplastias e enxertos vasculares (pontes); mapeamento da anatomia coronariana e suas variações anatômicas (algumas delas podendo provocar angina, isquemia e morte súbita); mapeamento da anatomia cardíaca, entre outras. "É importante salientar que, devido ao uso de radiação, a Tomografia Cardíaca deve ser realizada com critério, em virtude do efeito cumulativo da radiação em longo prazo”.
Pós - processamento Volume

De modo geral, a preparação do paciente para a realização da Tomografia Cardíaca não é complicada. Para o paciente que será submetido ao uso de contraste, é necessário um período de jejum (que não é necessário em caso de medição do Escore de Cálcio) e preparo anti-alérgico em alguns poucos casos. "Na maioria das vezes, é necessário o uso de beta-bloqueadores para reduzir e/ou regular o ritmo cardíaco, cerca de 1h30 antes do exame".

A fase da obtenção das imagens é muito rápida, o paciente permanece no aparelho por cerca de 5 minutos, o que é um diferencial marcante em relação à Tomografia Computadorizada convencional, que exige mais tempo. Depois, são iniciadas as fases de pós-processamento e interpretação das imagens obtidas. "Esta é uma parte que requer mais tempo, embora já não seja necessária a presença do paciente".
3D

Os pacientes com insuficiência renal e gestante não devem ser submetidos a este exame. A Tomografia Cardíaca também não é indicada para os pacientes com arritmias significativas, pois as imagens obtidas não são de boa qualidade para uma adequada interpretação. No caso de freqüência cardíaca acima de 65 ou 70bpm, é necessário uso de betabloqueadores para redução da mesma. No entanto, existem algumas contra-indicações para o uso destas medicações, como a insuficiência cardíaca descompensada, bloqueios átrio-ventriculares de 2º ou 3º graus, asma ou broncoespasmo ativos.

Indivíduos com histórico de alergia a determinadas substâncias principalmente ao "iodo" deverão fazer um preparo com uso de corticóides e anti-histamínicos antes da realização do exame. "A obesidade prejudica a qualidade das imagens obtidas, devendo a sua indicação ser avaliada, caso a caso, neste grupo de pacientes". Quantidades excessivas de cálcio nas artérias coronárias muitas vezes contra-indicam o exame porque reduzem sua acurácia.

Calcificação Excessiva
Na Tomografia Cardíaca não há necessidade de utilização de cateteres no coração ou punção de artérias. Faz-se apenas a punção de uma veia no braço por meio da qual é administrado o contraste que permitirá a visualização das artérias. Mesmo sendo um exame bastante avançado, a Tomografia Cardíaca não substitui totalmente o cateterismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário