quinta-feira, 8 de novembro de 2012

8 DE NOVEMBRO

Quando entramos no curso, sabíamos que iriamos conhecer de tudo, cada ramificação da RADIOLOGIA. Estudamos muito!
Nos apaixonamos
E vimos com o tempo a importância que temos na área da saúde,
os primeiros diagnósticos passam por nós.
A imagem que produzimos faz parte de um diagnostico completo.

Não somos apertadores de botões.
Somos TÉCNICOS EM RADIOLOGIA MÉDICA profissionais competentes,
que trabalham 24 horas em prol da saúde publica.
Atendemos bem os pacientes procurando não causar nenhum tipo de constrangimento.
Procuramos dar o melhor de nós na sala de imaginologia.
Produzimos imagens PERFEITAS aos olhos dos médicos.
Temos capacidade.
Força de vontade.
Colocamos nossas vidas em risco, mas jamais a vida de um paciente.
Somos bons naquilo que escolhemos, porque amamos o que fazemos.

RADIOLOGIA: TE VEJO POR DENTRO !!!!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

TECNÓLOGO E TÉCNICOS EM RADIOLOGIA NÃO FAZEM PUNÇÃO VENOSA E NÃO INJETAM CONTRASTE


Autor: Tecg° Aluisio Firmino de Oliveira* Tecnólogo em Radiologia do Hospital São Vicente de Paulo HSVP – RJ.

Email:aluisiopiza@yahoo.com.br

 

Esta é uma grande causa de dúvidas e um gênesis de problemas no setor de diagnóstico por imagem. A Radiologia vem ganhando cada vez mais destaque na área da saúde devido a acelerada evolução de seus equipamentos, software e métodos de imagem que permitem aos médicos laudar com maior acurácia. A equipe de Radiologia é multidisciplinar, composta por Radiologistas Médicos, Tecnólogos e Técnicos. Estes são auxiliados por Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem, além do setor administrativo.

Os Radiologistas são definidos de acordo com o site dicionárioinformal.com.

                                (Fig.1: Optiray)

br como profissionais de saúde que efetuam exames na área da radiologia, ou seja, atuam ao nível da produção de imagens do interior do corpo, que permitem diagnosticar situações patológicas como pneumonia, tumores ou fraturas ósseas, entre muitas outras. As suas principais funções consistem na programação, execução e avaliação das técnicas radiológicas aplicadas no diagnóstico, na prevenção e promoção da saúde, recorrendo para esse efeito a equipamentos tecnologicamente avançados.

A Enfermagem por sua vez, também contribui na realização dos exames de inúmeras formas, com excelente qualidade, indubitavelmente. De olho nestes profissionais, uma empresa de grande porte na radiologia, juntamente com uma Faculdade de São Paulo foi pioneira ao criar uma  Especialização de Enfermeiros em Diagnóstico por imagem. Hoje existem treinamentos internos para Enfermagem que são ministrados por hospitais e clínicas que treinam seus profissionais para atuar no setor otimizando o tempo e o serviço oferecido. E assim passa a existir o profissional de Enfermagem voltado para o Diagnóstico por Imagem, na maior parte dos serviços.

O COREN-DF (Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal) á fim de esclarecer a atribuições dos profissionais da enfermagem apresentou seu parecer, PARECER COREN - DF Nº 025/2011 - Atribuições do Profissional de Enfermagem (Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem) em Clínica Radiológica e de Diagnóstico de Imagem, onde fica claro a função da enfermagem, veja abaixo:


 “Conforme o Conselho Regional de São Paulo (2011), as atividades do profissional de enfermagem que atua em radiologia variam de acordo com o setor, mas fundamentalmente se baseiam na assistência segura e de qualidade. Por exemplo, na ressonância magnética, a equipe checa o nome, faz a consulta de enfermagem, resgatando a história do paciente, dá orientações para o exame, retira todos os objetos de metal do paciente, verificando se tem marca-passo, piercing, etc. Os auxiliares controlam os sinais vitais, fazem punções, posicionam o paciente para o exame, administram o contraste e participam da indução de anestesia com o enfermeiro e o médico.”

 

O Tecnólogo ou Técnico em Radiologia deve saber como é administrado o meio de contraste para saber orientar a enfermagem quando necessário. Este profissional administrará o fluxo e a quantidade de contraste injetado pela bomba infusora de contraste, porém acompanhado do profissional de enfermagem e claro supervisionados por um médico. Na realidade ouvimos alguns relatos de profissionais das técnicas radiológicas que fazem punções e injetam contraste, porém sem respaldo jurídico podendo ser penalizado pois de alguma forma coloca em risco a saúde do paciente, além de não serem habilitados para tal função. Em vários países é o Tecgº que faz punção venosa e injeta o contraste, mas este não é o caso do Brasil. 

O CONTER (Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia) representa a classe de profissionais da Radiologia que agem conforme suas normas e ética. Seus profissionais atuam na realização de exames operando equipamentos de Radiologia e Imaginologia com destreza e qualidade.

 

 

CONSIDERANDO o Código de Ética dos Profissionais das Técnicas Radiológicas:

CAPÍTULO IV

DAS RELAÇÕES COM OS SERVIÇOS EMPREGADORES

Art. 15 – O Tecnólogo, Técnico e Auxiliar em Radiologia devem recusar-se a executar atividades que não sejam de sua competência legal.

 

CAPÍTULO V

DAS RELAÇÕES COM OUTROS PROFISSIONAIS

Art.10 – O Tecnólogo, Técnico e Auxiliar em Radiologia devem reconhecer as limitações de suas atividades, procurando desempenhar suas funções segundo as prescrições médica e orientações técnicas do Coordenador Técnico do serviço.

 

Conclusão:

Toda categoria profissional possui legislação formal que designa e descreve seus protocolos institucionalmente. O objetivo do presente trabalho é esclarecer aos profissionais da Radiologia e da Enfermagem que atuam no serviço de diagnóstico por imagem, suas reais atribuições. Apesar de serem disseminadas por seus respectivos conselhos. Com os devidos esclarecimentos, todos estão cientes de suas funções e que Tecnólogos e Técnicos Radiologistas no Brasil, não fazem punção venosa e não injetam contraste.

 

REFERÊNCIAS:

BRASIL. COREN-DF – Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal. PARECER N°025/2011 criado em 16/08/2011 que regulamenta as Atribuições dos Profissionais de Enfermagem (Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem) em Clínica Radiológica e de diagnóstico por imagem.

BRASIL. CONTER (Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia) Código de Ética dos profissionais das Técnicas Radiológicas.

http://www.dicionarioinformal.com.br/radiologista/ Definição de Radiologista. Acessado em 25 de maio 2012.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

TOMOGRAFIA TRIPLICAM CHANCES DE DESENVOLVER CÂNCER NA INFÂNCIA


Um estudo realizado por especialistas da Universidade de Newcastle, na Grã-Bretanha, revelou que crianças submetidas a repetidos exames de tomografia computadorizada têm três vezes mais chances de desenvolver câncer no cérebro ou leucemia.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram mais de 180 mil fichas médicas do Serviço de Saúde Britânico (NHS, na sigla em inglês) de pacientes com menos de 21 anos que fizeram o exame entre 1985 e 2002, além de incidências da doença até 2009.

Os estudos apontaram que a cada 10 mil tomografias computadorizadas realizadas na região da cabeça em crianças com menos de dez anos de idade, um novo caso de leucemia e outro de câncer cerebral eram detectados.

Segundo o líder do estudo, o epidemiologista da Universidade de Newcastle, Mark Pearce, os dados representam um “aumento significativo no risco de leucemia e tumores cerebrais em pessoas que fizeram tomografias computadorizadas na infância e adolescência".

Indicação

Apesar do risco, os especialistas ressaltam que os benefícios do exame continuam sendo maiores. "Há um risco muito maior em não fazer uma tomografia quando for solicitada", diz Alan Craft, outro autor da pesquisa.

O exame, geralmente sugerido para investigar lesões internas, consiste na exposição do corpo a uma sucessão de raios X, que produzem imagens detalhadas dos órgãos internos e outras partes do corpo.

Já que não é possível banir seu uso, os especialistas indicam limitar ao máximo o número de repetições do exame em pacientes jovens. Eles também lembraram que as doses de radiação impostas pelo exame foram reduzidas ao longo dos últimos anos, mas ainda é necessário reduzi-las ainda mais.

Com informações da BBC Brasil.
"Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende."

quinta-feira, 24 de maio de 2012

LIMITE DE CARGA HORÁRIA PROFISSIONAL NÃO IMPEDE QUE AUXILIARES, TÉCNICOS E TECNÓLOGOS EM RADIOLOGIA TENHAM MAIS DE UM EMPREGO

Como todos os profissionais das técnicas radiológicas já sabem, a classe tem direito a cumprir carga horária diferenciada de, no máximo, 24 horas semanais. É um direito adquirido ainda na década de 1980 e que deve ser preservado, ainda que a tecnologia tenha avançado e os riscos não sejam mais os mesmos de antes.

Isso se deve ao fato da categoria lidar com uma tecnologia insalubre que, em caso de exposição acima do recomendado, pode acarretar danos à saúde do trabalhador.

Contudo, de acordo com decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), o limite de carga horária não impede que auxiliares, técnicos e tecnólogos em Radiologia tenham mais de um emprego. Para tanto, basta que não haja conflito de horários.

De acordo com o voto do ministro relator Ricardo Lewandowski no Agravo Regimental do Recurso Extraordinário 633.298, “A existência de norma infraconstitucional que estipula limitação de jornada semanal não constitui óbice ao reconhecimento do direito à acumulação prevista no art. 37, XVI, c, da Constituição Federal, desde que haja compatibilidade de horários para o exercício dos cargos a serem acumulados.” A decisão do ministro Lewandowski foi acompanhada pela maioria dos ministros.

Em suma, significa que o art. 37, XVI, c, da CF/88, na nova redação dada pela EC 34/2001, permite expressamente a acumulação remunerada de cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde com profissões regulamentadas, exigindo-lhes apenas a compatibilidade de horários.

De modo que a jornada máxima de 24 (vinte quatro) horas semanais atribuída pela Lei 7.394/85 e pelo Decreto 92.790/86, aos ocupantes do cargo de auxiliar, técnico e tecnólogo em Radiologia, não pode constituir impedimento à acumulação de dois cargos de profissionais de saúde, cujo direito está constitucionalmente previsto.

Para a presidenta do Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (CONTER) Valdelice Teodoro, a decisão do STF preserva o direito dos trabalhadores e dá à categoria condições de melhorar a renda, caso surjam oportunidades de trabalho que confluam. “Alguns defendem o aumento da carga horária para os profissionais das técnicas radiológicas, sob a afirmação de que a tecnologia hoje é segura. Eu sou contra, não concordo. Nós devemos dar manutenção aos direitos adquiridos e, de acordo com a decisão do STF, buscar as melhores oportunidades possíveis de trabalho. Se der para conciliar duas vagas, isso é mérito do profissional”, afirma.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

CONCURSO DE CAMPOS

A Secretária de Planejamento e Gestão, Ana Lúcia Boynard, informa que a Prefeitura de Campos determinou a suspensão do Concurso Público Municipal, em função da identificação de falhas na organização e aplicação das provas pela instituição contratada, o Centro de Produção da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (CEPUERJ), neste domingo (15).

A Secretária informa também que estão sendo adotadas todas as medidas administrativas cabíveis para aplicar sanções contratuais, em virtude das falhas cometidas no decorrer dos dois turnos de provas aplicadas pelo CEPUERJ, impondo a esta instituição a responsabilidade pela promoção do concurso em nova data, a ser anunciada, o mais breve possível, sem prejuízos aos candidatos inscritos.

terça-feira, 27 de março de 2012

13 NOVIDADES CIENTÍFICAS SOBRE RADIOLOGIA

Entre as maiores conferências programadas ao longo dos seis dias de conteúdo do RSNA – a maior assembleia de radiologia anual do mundo (Radiological Society of North America) -, 13 são destaques em termos de tecnologia e comprovações científicas.

01. Caminhos Cerebrais Funcionais em Crianças com Déficit de Atenção / Hiperatividade (TDAH)
Por meio da Ressonância Magnética Funcional (FMRI), investigadores identificaram anormalidades nos cérebros de crianças com déficit de atenção / hiperatividade (TDAH), que podem servir como um biomarcador para a desordem, de acordo com um estudo divulgado durante o RSNA (Radiological Society of North America), em Chicago (EUA).

O TDAH é uma das doenças mais comuns na infância. De acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental, não há um único teste capaz de diagnosticar uma criança com o transtorno. “Diagnosticar o TDAH é muito difícil por causa de sua grande variedade de sintomas comportamentais”, disse o pesquisador Li Xiaobo, Ph.D., professor assistente de radiologia no Albert Einstein College of Medicine, em Nova York.
“Estabelecer um biomarcador de imagem confiável do TDAH seria uma grande contribuição para o campo”, completa.

Os pesquisadores submeteram 18 crianças com o transtorno (faixa etária 9-15 anos) ao FMRI. Para cada participante, a ressonância produziu um mapa de ativação cerebral que revelou quais regiões do cérebro se tornou ativada enquanto a criança realizava determinada tarefa. Os pesquisadores então compararam os mapas cerebrais a ativação dos dois grupos.

Em comparação ao grupo de controle normal, as crianças com TDAH mostraram atividade funcional anormal em várias regiões do cérebro envolvidas no processamento de informações a atenção visual. Os pesquisadores também descobriram que a comunicação entre regiões do cérebro, durante o processamento visual, foi interrompido nas crianças com ADHD.

“O que isto nos diz é que as crianças com TDAH utilizam diferentes vias de funcionamento do cérebro para processar as informações”, disse Li.

Pesquisadores: Co-autores são Shugao Xia, Ariane Kimball e Craig Branch, Ph.D.


02. Restrição de Calorias Melhora a Função Cardíaca em Pacientes Obesos e Diabéticos.
A dieta de baixa caloria elimina a dependência de insulina e melhora a função cardíaca de pacientes obesos com diabetes tipo 2, segundo um estudo apresentado durante o Radiological Society of North America (RSNA). “É impressionante ver como uma intervenção relativamente simples de uma dieta baixa em calorias efetivamente cura a diabetes mellitus tipo 2″, disse o principal autor do estudo, Sebastiaan Hammer, MD, Ph.D., do Departamento de Radiologia da Leiden University Medical Center, na Holanda.
Usando ressonância magnética cardíaca, os pesquisadores analisaram a função cardíaca e gordura pericárdica em 15 pacientes, incluindo sete homens e oito mulheres com diabetes tipo 2 antes e após quatro meses de uma dieta composta de 500 calorias diárias. Mudanças no índice de massa corporal (IMC) também foram avaliadas.
Os resultados mostraram que a restrição calórica resultou em uma redução no IMC de 35,3 para 27,5 em quatro meses. A gordura do pericárdio diminuiu de 39 mililitros (ml) para 31 ml.
Hammer salientou que estes resultados sublinham a importância de incluir estratégias de imagem nestes tipos de regimes terapêuticos.

Pesquisadores: Co-autores são W. Jan Smit, MD, Ph.D., Johannes A. Romijn, MD, Ph.D., Jacqueline Jonker, MD, Marieke Snel, MD, Albert De Roos, MD, Hildo Cordeiro, MD, e Rutger W . Van Der Meer, MD





03. Imagem 3D Facilita Transplante de Face Humana.
A combinação de imagens médicas convencionais e técnicas em 3D oferecem nova esperança às vítimas de graves lesões faciais. Resultados de um novo estudo sobre transplante de rosto humano, liderada por Darren M. Smith, MD, residente de cirurgia plástica da Universidade de Pittsburgh Medical Center (UPMC), foram apresentados durante o Radiological Society of North America (RSNA).
As imagens médicas desempenham um papel importante em todo o processo de transplante de face, desde a seleção de doadores, beneficiários e planejamento cirúrgico, até a avaliação pós-operatória do motor de retorno e função sensorial. Transplante de rosto é um procedimento moroso, complicado, que envolve a reconstrução de vários tecidos, como pele, músculo, vasos sanguíneos, nervos e ossos.
Atualmente, para se preparar para os modelos de plástico facial transplante, ou gesso são inicialmente baseados criado em 3-D TC ou angiografia ou reconstrução. Depois disso, zombam dissecações de cadáveres são realizados para permitir que os cirurgiões para planejar as cirurgias doadoras e receptoras. Exames de imagem de ressonância magnética e outros também podem ser utilizados para fornecer informações suplementares.

Ao combinar informações de vários exames de imagem e sofisticado software de imagem 3-D, os pesquisadores conseguiram avaliar com maior precisão a estrutura facial e seus contornos, osso subjacente, músculos, nervos e vasos, bem como a extensão dos danos.
Os médicos Smith e Gorantla, junto com Joseph Losee, MD, integraram 3-D CT, angiografia TC, RM, de alta definição, criar um modelo 3-D da cabeça do paciente e da anatomia do pescoço.

04. Tomografia Computadorizada Recria Violino Stradivarius.
Uma tomografia computadorizada (TC) de imagens e técnicas de fabricação avançadas foi usada por uma equipe de especialistas para reproduzir um violino Stradivarius 1704.

Para criar um violino com as mesmas características do Stradivarius, o radiologia Steven Sirr, MD, de FirstLight Medical Systems em Mora, Minnesota, trabalhou com fabricantes de violino.
O violino original foi digitalizado com um detector CT 64, e mais de 1.000 imagens CT foram convertidas em arquivos, que podem ser lidos por um roteador controlado por um programa de computador chamado CNC. Com o CNC, feito sob medida para o projeto, o pesquisador esculpiu as partes traseira e dianteira e placas de rolagem do violino. F


05. Hormônio do Crescimento Aumenta a Formação óssea em Mulheres Obesas.
Em um novo estudo apresentado durante o Radiological Society of North America (RSNA), a reposição de hormônio de crescimento por seis meses aumenta a formação óssea do abdômen de mulheres obesas.
“Esta é a primeira vez que os efeitos do hormônio de crescimento sobre o osso têm sido estudados na obesidade”, disse o principal autor do estudo, Miriam A. Bredella, MD, um radiologista do Massachusetts General Hospital e professor assistente de radiologia da Harvard Medical School, em Boston. “O hormônio do crescimento é extremamente importante para a saúde óssea, e as mulheres com gorduras abdominais têm ossos mais fracos e níveis de hormônios de crescimento reduzidos.”
O estudo mostrou que 32% das mulheres tinham perda de massa óssea. Depois de seis meses, as mulheres que receberam hormônio de crescimento desenvolveram formação óssea, aumento da gordura da medula óssea e massa muscular, e maiores níveis de vitamina D.
Pesquisadores: Co-autores são Eleanor Lin, Daniel J. Brick, Anu Gerweck, Lindsey M. Harrington, Martin Torriani, MD, Bijoy Thomas, MD, Anne Klibanski, MD, e Karen Miller, MD Esta pesquisa foi suportada pelo National Institutes of Health (NIH concede R01 HL-077674 e K23 RR-23090).

06. Uma Bola de Futebol Pode Levar a Lesões Cerebrais.
Usando um “diffsuin tensor imaging” (DTI) para estudar os efeitos do futebol, os pesquisadores descobriram que os jogadores que cabecearem uma bola com alta freqüência têm anormalidades cerebrais semelhantes aos encontrados em lesões cerebrais traumáticas (TBI) pacientes.
A avançada técnica DTI de ressonância magnética (RM) permite que os pesquisadores avaliem as mudanças microscópicas na matéria branca do cérebro, que é composta de milhões de fibras nervosas chamadas de axônios que atuam como cabos de comunicação conectando várias regiões. DTI produz uma medida, chamada anisotropia fracionada (FA), do movimento das moléculas de água ao longo de axônios. Em substância branca saudável, a direção do movimento da água é bastante uniforme e medidas em alta FA. Quando o movimento da água é mais aleatória, os valores FA diminuem.
Michael L. Lipton, MD, Ph.D., diretor associado do Centro de Pesquisa de Ressonância Magnética Gruss no Albert Einstein College of Medicina e diretor médico dos serviços de ressonância magnética no Montefiore Medical Center, em Nova York conduziu, juntamente com outros colegas, exames de DTI em 32 jogadores amadores de futebol (idade média: 30,8 anos), os quais têm desempenhado o esporte desde a infância. Eles compararam as imagens cerebrais dos que deram cabeçadas com mais freqüência e os restantes.
Entre os dois grupos, houve diferenças significativas na FA em cinco regiões do cérebro. As regiões identificadas pelos pesquisadores são responsáveis pela atenção, memória, funcionamento executivo e funções de ordem superior visual.
“O que nós mostramos aqui é prova irrefutável de que há alterações no cérebro que se parecem com lesão cerebral traumática, como resultado da posição de uma bola de futebol com alta freqüência”, disse Dr. Lipton. Dado que o futebol é o esporte mais popular em todo o mundo e é jogado extensivamente por crianças, estas são conclusões que devem ser levados em consideração, a fim de proteger os jogadores de futebol.”
Pesquisadores: Co-autores são Namhee Kim, Ph.D., Molly Zimmerman, Ph.D., Richard Lipton, MD, Walter Stewart, Ph.D., Edwin Gulko, MD, e Craig Branch, Ph.D.

07. Novo Estudo Suporta Mamografia em Mulheres a Partir dos 40.
Mulheres na faixa dos 40 sem histórico familiar de câncer de mama são tão propensas a desenvolver câncer de mama como as mulheres com histórico familiar da doença. Esses achados indicam que as mulheres nessa faixa etária se beneficiariam de mamografia preventiva anual.

“Acreditamos que este estudo demonstra a importância da mamografia para as mulheres nessa faixa etária, que está em oposição às recomendações emitidas pela Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA”, disse Stamatia V. Destounis, MD, radiologista e sócio-diretor da Elizabeth Wende Cuidados com o peito, LLC, em Rochester, NY.
Pesquisadores: Co-autores são Jenny Song, MD, Posy Seifert, DO, Philip Murphy, MD, Patricia Somerville, MD, Wende Logan-Young, MD, Andrea Arieno, BS, e Renee Morgan, RT.

08. Simulador de Parto Melhora a Segurança das Mulheres.
Um software de computador combinado com ressonância magnética (MRI) do feto pode ajudar os médicos a avaliar melhor uma mulher em potencial para um parto difícil. O bebê deve mover-se através de uma sequência específica de manobras. Uma falha no processo, como uma cabeça voltada para o lado errado na hora errada, pode resultar em um parto difícil.

“A mecânica do canal de nascimento humano para fazer um processo de entrega muito complicado comparado ao de outros mamíferos”, disse Olivier Ami, MD, Ph.D., um obstetra no Departamento de Radiologia da Antoine Béclères Hospital, Université Paris Sud, França. “Nós agora temos simulado por computador parto para identificar potenciais problemas.”

Usando o novo software, chamado PREDIBIRTH, o médico Olivier Ami, MD, Ph.D., obstetra no Departamento de Radiologia da Antoine Béclères Hospital, Université Paris Sud, França e sua equipe processaram ressonâncias de 24 mulheres grávidas. O resultado foi uma reconstrução tridimensional (3-D) da pélvis e do feto, juntamente com 72 trajetórias possíveis da cabeça do bebê pelo canal do parto. Com base nessas simulações, o programa marcou cada probabilidade de mães de parto normal.
Pesquisadores: “Co-autores são Lucie Cassagnes, MD, Jean-Francois Uhl, MD, Didier Lemery, MD, Ph.D., Vincent Delmas, Gérard Mage, MD, Ph.D., e Louis Boyer, MD

09. Nova Tecnologia Proporciona aos Pacientes Controle de Compartilhamento de Imagens Médicas.
Pacientes de três grandes instituições médicas podem controlar o compartilhamento de suas imagens médicas e relatórios com seus médicos e prestadores de serviços médicos. Ao facilitar o acesso aos exames de imagem para pacientes e médicos, a rede potencialmente reduz exames desnecessários, minimiza a exposição à radiação do paciente e permite mais segurança na hora da tomada de decisão.
David S. Mendelson, MD, chefe de informática clínica no The Mount Sinai Medical Center, em Nova York cidade e membro do Comitê de Informática Radiologia RSNA coordena projeto, lançado em 2009, através de um contrato de US$ 4,7 milhões com o Instituto Nacional de Imagem Biomédica e Bioengenharia (NIBIB) para construir uma rede de compartilhamento de imagens médicas, centrada no paciente, segura. A iniciativa permite que o paciente acesse as informações através de registros pessoais de saúde (PHR), sem depender de CDs.
Para garantir a privacidade do paciente, o projeto baseia-se no tipo de sistemas de segurança usados pelos bancos. Os pacientes recebem um código de oito dígitos e, em seguida, criam uma senha ou PIN conhecido apenas por eles.

10. Pedidos desnecessários de Exames de Imagens aumentam.
Os médicos que têm um interesse financeiro em equipamentos de imagens são mais propensos a submeterem seus pacientes a exames de imagem, por vezes, desnecessários, de acordo com um estudo apresentado durante o Radiological Society of North America (RSNA). Este fato tem aumentado os custos médicos, segundo Ben E. Paxton, MD, residente de radiologia no Duke University Medical Center, em Durham, NC.
Entre 2000 e 2005, a propriedade ou locação de equipamentos de ressonância magnética por não-radiologistas cresceu 254%, em comparação com 83% entre os radiologistas. Os EUA Government Accountability Office (GAO) relataram que a proporção de não-radiologistas de faturamento de imagens mais do que dobrou de 2000 a 2006. Durante esse mesmo período, as taxas de utilização de imagem por não-radiologistas que controlam encaminhamento de pacientes cresceu 71%.
Eles revisaram 500 exames consecutivos de diagnóstico de ressonância magnética da coluna lombar ordenados por dois grupos ortopédicos dos EUA. O primeiro grupo tinha interesse financeiro no equipamento de ressonância magnética (F1), e o segundo não tinha (NF1).
Houve 86% mais exames negativos no grupo FI que o grupo NFI, indicando um número significativamente maior de exames desnecessários.
Pesquisadores: Co-autores são Mateus Lungren, MD, Sin Jung-Ho, Ph.D., e Peter Kranz, MD

11. Risco de Ataque Cardíaco Difere entre Homens e Mulheres.
As conclusões sobre coronária angiografia por Tomografia computadorizada (CTA), um teste não-invasivo para avaliar as artérias coronárias, mostram cenários de risco diferentes para homens e mulheres, de acordo com um estudo apresentado hoje no Radiological Society of North America (RSNA).
Doença arterial coronariana (DAC) é um estreitamento dos vasos sanguíneos que fornecem sangue e oxigênio para o coração. É causada por um acúmulo de gordura e outras substâncias que formam placas nas paredes dos vasos. De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention, a doença cardíaca é a principal causa de morte para homens e mulheres em os EUA.
Pesquisadores da Universidade Médica da Carolina do Sul analisaram os resultados de CTA coronária em 480 pacientes com idade média de 55 anos, com dor torácica aguda. Aproximadamente, 65% dos pacientes eram mulheres e 35% eram homens. A possibilidade de síndrome coronariana aguda foi descartada para cada um dos pacientes.
Usando CTA coronárias, os pesquisadores foram capazes de determinar o número de segmentos de navios com a placa, a gravidade da obstrução e da composição da placa.
“A última scanners CT são capazes de produzir imagens que nos permitem determinar se a placa é calcificada, não calcificadas ou mista”, disse John W. Nance Jr., MD, atualmente residente de radiologia no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, Md .
Pesquisadores: Co-autores são U. Joseph Schoepf, MD, Christopher Schlett, MD, Garrett Rowe, BS, J. Michael Barraza, BS, e Fabian Bamberg, MD, MPH.
12. Videogames Violentos Podem Alterar a Função Cerebral em Jovens.
A ressonância magnética de análise funcional (fMRI) detectou no cérebro os efeitos de jogos violentos de videogames, encontrando alterações em regiões cerebrais associadas com a função cognitiva e controle emocional em jovens após uma semana de jogo.
“Pela primeira vez, descobrimos que uma amostra de jovens adultos aleatoriamente apresentaram menor ativação em certas regiões frontais do cérebro após uma semana de jogos violentos em casa”, disse Yang Wang, MD, professor assistente de pesquisa no Departamento de Radiologia e Imagem Ciências da Indiana University School of Medicine, em Indianápolis. “Essas regiões do cérebro são importantes para controlar a emoção e comportamento agressivo.”
Para o estudo, 22 homens adultos saudáveis, entre 18 a 29 anos, foram divididos aleatoriamente em dois grupos de 11. Membros do primeiro grupo foram instruídos a jogar um videogame de tiro por 10 horas, em casa, por uma semana. O segundo grupo foi orientado a jogar durante duas semanas.
Durante o FMRI, os participantes completaram uma tarefa de interferência emocional, apertando botões de acordo com a cor das palavras apresentadas visualmente. Palavras que indicam ações violentas foram intercaladas entre as palavras não-violentas.
Os resultados mostraram que após uma semana de jogo violento, os membros do grupo 2 apresentaram menor ativação no lobo frontal inferior esquerdo durante a tarefa emocional e menos ativação do córtex anterior durante a tarefa de contagem, em comparação com ao grupo 1. “Essas descobertas indicam que o vídeogame violento tem um efeito a longo prazo no funcionamento do cérebro”, o Dr. Wang.
Pesquisadores: Co-autores são Tom Hummer, Ph.D., William Kronenberger, Ph.D., Kristine Mosier, DMD, Ph.D., e Vincent P. Mathews, MD Esta pesquisa é apoiada pelo Centro de sucesso dos pais, Indiana.


13. Comer Peixe Reduz Risco de Doença de Alzheimer .
As pessoas que comem peixe assado ou grelhado semanalmente podem melhorar a saúde do cérebro, reduzindo risco de desenvolver transtorno cognitivo leve (MCI) e doenças como o Alzheimer.
“Este é o primeiro estudo a estabelecer uma relação direta entre consumo de peixe, a estrutura do cérebro e do risco de Alzheimer”, disse Cyrus Raji, MD, Ph.D., da Universidade de Pittsburgh Medical Center e da University of Pittsburgh School of Medicine. “Os resultados mostraram que pessoas que consumiam peixe assado ou grelhado pelo menos uma vez por semana tiveram melhor preservação do volume de matéria cinzenta na ressonância magnética em áreas do cérebro em situação de risco para a doença de Alzheimer.”
Doença de Alzheimer é uma incurável, doença cerebral progressiva que destrói lentamente a memória e habilidades cognitivas.
Os resultados também demonstraram aumento dos níveis de cognição em pessoas que comiam peixe assado ou grelhado.
Comer peixe frito, por outro lado, não foi mostrado para aumentar o volume do cérebro ou proteger contra o declínio cognitivo.
Pesquisadores: Co-autores estão Kirk Erickson, Ph.D., Oscar Lopez, MD, Lewis Kuller, MD, Michael H. Gach, Ph.D., Paul Thompson, Ph.D., Mario Riverol, MD, Ph.D., e James Becker, Ph.D.
"Podemos escolher o que semear, mas somos obrigados a colher aquilo que plantamos"






sábado, 17 de março de 2012

O QUE É RADIOTIVIDADE?

Definição de Radioatividade:

            É a emissão espontânea do excesso de matéria e/ou energia pelo núcleo de um átomo instável (aumento da energia livre). O que faz o núcleo ficar instável é exatamente esse excesso de matéria e ou energia. É um fenômeno nuclear, ou seja, não acontece nos orbitais dos elétrons.

            O átomo é eletricamente neutro, sendo que cargas positivas se encontram no núcleo e cargas negativas se encontram na eletrosfera. Por quê então não há atração dos elétrons pelo núcleo?

            Para os elétrons não serem atraídos pelo núcleo deve haver uma força contrária a essa atração: é a força centrífuga gerada pela alta rotatividade dos elétrons. Mas em cada rodada os elétrons deveriam perder energia, e essa perda de energia levaria a uma aproximação dos elétrons em direção ao núcleo até que eles se tocassem. Para explicar porque esse choque não acontecia surgiu a física quântica.

            As cargas positivas do núcleo criam um campo elétrico, capaz de gerar movimento dos elétrons. As cargas positivas são a fonte de energia para o campo.

            Em todo meio energético há regiões conservativas e regiões dissipativas. Qualquer elétron que for encontrado em regiões dissipativas tende a cair em uma região conservativa. Por isso é menos provável encontrarmos um elétron em uma região dissipativa.

            Orbitais do átomo: região conservativa, mais provável de se encontrar um elétron, pois nelas a energia se conserva.


Radiações ionizantes:
Radiação é a transmissão de energia de um sistema para outro por meio de ondas eletromagnéticas (calor, raios UV, raios X) ou então de partículas dotadas de massa (radiações alfa e beta). De acordo com o efeito que a radiação produz na matéria com a qual interage, ela pode ser classificada como ionizante (radiação alfa e raios X) e não ionizante como a luz e o calor radiante.
As radiações ionizantes são aquelas cujos fótons ou partículas produzem íons na matéria com a qual interagem. Por causa dessa ionização, essas radiações podem produzir danos nas estruturas vivas e, por isso, seu estudo é relevante para a Biologia e para a Medicina.
Quando um corpo é exposto a uma radiação, ele absorve uma certa quantidade de energia dessa radiação, que é chamada de dose absorvida. Quanto maior for à dose absorvida, maiores serão os danos provocados pela radiação.

O propósito da radiologia diagnóstica é detectar enfermidades ou mal funcionamentos de um sistema ou órgão do corpo humano. A obtenção de imagens das estruturas internas do corpo com finalidade de diagnóstico empregando raio X é possível graças a dois fatores básicos:
1- à capacidade desta radiação de atravessar os corpos normalmente opacos à luz do dia;
2- à propriedades das diversas estruturas e elementos constituintes do corpo radiografado de absorverem parte da radiação incidente, em graus diferentes, gerando uma imagem da área em questão, por modulação do feixe.
Sabe-se que a absorção dos raios X por um dado corpo depende, basicamente, de três fatores:
1- O comprimento de onda da radiação incidente;
2- A composição estrutural do corpo radiografado, em termos dos elementos químicos que o formam;
3- A espessura e a densidade do corpo.
A capacidade de penetração dos raios x em um corpo e, conseqüentemente, sua capacidade de atravessá-los, está relacionada, em primeiro lugar, com o comprimento de onda. Quanto menor o seu valor, maior o seu poder de penetração.
A composição química do corpo radiografado tem importância na absorção seletiva da radiação que o atravessa, por incluir, geralmente, elementos químicos de números atômicos diferentes. Quanto maior o número atômico de um dado elemento, maior o poder de absorver raios X.
Por outro lado, é de se esperar que um corpo mais espesso absorva mais radiação que outro mais delgado. As várias partes do corpo humano também possuem diferentes densidades. Esta seletividade de absorção permite a modulação do feixe de radiação incidente obtendo-se, finalmente, a imagem da área sob estudo formada por diferentes densidades, ou tons de cinza, refletindo as diferenças de absorção dos tecidos que compõem aquela parte do corpo.
Há a necessidade de se obter imagens de áreas do corpo humano formadas por tecidos moles, cujas estruturas que se diferenciam muito pouco em termos de absorção de raios X, dos demais tecidos que compõem o organismo. Estes tecidos, portanto não são diferenciados pelos raios X, não apresentando contraste em relação aos seus vizinhos. Nestas incluem-se, por exemplo, os órgãos do sistema gastrintestinal, circulatório, urinário e nervoso.
Com o objetivo de permitir a suficiente diferenciação de estruturas específicas, mas rodeadas por outras de composição similar, faz-se uso de vários tipos de compostos químicos, contendo elementos de alto número atômico, cuja presença nas estruturas de interesse para o estudo, permite a necessária modulação do feixe de radiação. Essas substâncias constituem os chamados meios de contraste radiológicos.
O que é a radiografia?
A radiografia é a imagem fotográfica produzida através do uso de radiações ionizantes, que interagem com os tecidos por absorção fotoelétrica, causando diferentes graus de enegrecimento em um filme radiográfico ou em uma tela fluoroscópia., A análise da imagem obtida, por sua vez, permite a verificação de estruturas anatomicamente responsáveis por cada sombra, bem como a existência da qualquer anormalidade.
As mais variadas técnicas, os mais diversos corpos a radiografar, com diferentes volumes, posição e constituição, necessitam de raios X de diferentes comprimentos de onda e exigem também tipos de filmes diversos. Todos os fatores tecnicamente selecionados para radiografar determinado corpo não obterão sucesso se o filme e o processamento não forem adequados para o caso.
Os filmes radiográficos são fabricados em diversos tamanhos, formatos e qualidade para diferentes trabalhos e são dotados de maior ou menor sensibilidade, variando também o seu poder de definição, ou seja, a capacidade de produzir imagens mais nítidas.

A sensibilidade de um filme diz respeito à sua capacidade de gravar as imagens, sendo medida pelo tempo de exposição requerido para a tomada de uma radiografia com maior ou menos quantidade de radiação. Atualmente, com a necessidade de se expor menos os pacientes, os fabricantes de filmes estão se empenhando em obter filmes de maiores velocidades, muito sensíveis.
Como são formados os Raios X? Quais são as suas características?
Os raios X são uma forma de energia, parte do Espectro Eletromagnético. Em alguns aspectos, eles lembram a luz visível, uma forma de radiação eletromagnética. Ambas existem naturalmente e viajam na mesma velocidade. (300 000 Km/s).
Os raios X são diferentes de outras formas de radiação, têm seu próprio caráter. Embora sejam algumas vezes similares à luz, eles não são facilmente refratados, ou curvados e uma lente não irá focalizá-los, Eles excitam a fluorescência em muitas substâncias, como o Tungstato de Cálcio. Muitos dos fatores que fazem deles únicos é uma função do seu pequeno comprimento de onda. De fato, o comprimento de onda dos raios X é de cerca de um décimo de milésimo do comprimento de onda visível.
A radiação eletromagnética constitui o deslocamento de energia através do espaço, através das forças dos campos elétrico e magnético. Qualquer carga, ao ser acelerada, emite radiação eletromagnética.
Raios X são produzidos quando elétrons de alta energia são subitamente desacelerados. Os elétrons são expulsos de seus átomos – como “fervidos”—e então acelerados por altas voltagens. Focalizados em um alvo, em um ambiente de vácuo ( o interior da ampola), os elétrons interagem com os átomos estáveis. O resultado, no momento em que o fluxo de elétrons em alta velocidade é desacelerado pelo alvo, é uma conversão de energia. Cerca de 99% do resultado da conversão de energia surge na forma de calor, com os 1% restantes surgindo na forma de raios X. O dispositivo usado para produzir raios X consiste de um tubo de vidro borosilicato – a ampola—(capa de suportar altas temperaturas), que tenha sido evacuado do maior número possível de átomos. No interior do tubo selado existem dois elementos chamados de cátodo (o pólo negativo e fonte do fluxo de elétrons) e o ânodo ( o pólo positivo e alvo do jato de elétrons). Mais comumente, o cátodo é feito de tungstênio e o ânodo de uma liga de tungstênio, que ajuda a resistir às altas temperaturas.

Explicando: todos os corpos aquecidos emitem elétrons. Alguns elétrons tornam-se ativos o bastante para se moverem a uma curta distância da superfície do metal, à medida que o cátodo atinge uma certa temperatura.
Uma pequena nuvem de elétrons se forma e se movimenta em torno do filamento, quando ocorre um balanceamento, com alguns elétrons retornando aos átomos do metal, à medida que outros são emitidos. Um dos fatores limitantes da potência de um moderno tubo de raio X é o calor gerado, e muitos esquemas têm sido desenvolvidos para superar este problema.
A carga elétrica que impele a corrente de elétrons do cátodo para o ânodo aumenta sua energia. Quando os elétrons atingem o alvo, eles produzem raios X de dois modos:
1- Eles colidem com os elétrons dos átomos da liga de tungstênio, impactando com energia suficiente para expulsar os elétrons. Quando um elétron é arrancado de um átomo estável, esse átomo é dito ionizado, perdendo seu equilíbrio de cargas elétricas. O excesso de energia que resulta deve ser emitido pelo átomo, gerando os Raios X. Os raios X emitidos como resultados desta interação são chamados de raios X característicos, pois seu comprimento de onda preciso é determinado pelo tipo de átomo ionizado. Alvos de diferentes tipos de átomos produzem raios X de diferentes comprimentos de onda.
2- Quando um elétron acelerado passa próximo do núcleo de um átomo alvo, o resultado é a produção de raios X gerais. Atraídos pela carga elétrica positiva do núcleo, o elétron negativamente carregado muda de direção. Ele é desacelerado a partir da velocidade da luz. A energia que ele fornece no processo é emitida na forma de um feixe de radiação X.
Geralmente os elétrons participam de muitas dessas reações antes que sua energia seja esgotada. Ocasionalmente eles podem atingir o núcleo do átomo alvo de frente. Neste caso, toda a energia do elétron pode ser convertida em calor e um fóton de alta energia.
Os raios X emitidos a partir de um tipo gerador não são bem organizados, Os raios X produzidos produzem muitos níveis diferentes de energia e se deslocam em todas as direções, o que se chama espalhamento. Uma vez que a radiação ionizante atua sobre células biológicas, é importante o seu controle para se obter o máximo benefício a um custo mínimo possível para o organismo sob exame com raios X. Apenas os raios X com suficiente energia para penetrar profundamente e registrar os detalhes do objeto sob investigação são úteis. Para controlar os raios X potencialmente danosos, foram desenvolvidos filtros para eliminar a radiação de baixa energia e, portanto, ineficiente.
Como são formadas as imagens?
Baseado no fato de que os raios X são capazes de atravessar materiais, é possível se obter imagens do interior do corpo humano. Os diversos métodos utilizados para essa obtenção constituem a RADIOLOGIA.
Um filme radiográfico pode ser exposto diretamente aos fótons de energia de raios X que atravessaram o objeto. Alguns fótons de energia são absorvidos. O número absorvido dependa da densidade do tecido sobre o qual eles incidem. Raios X que entram em um corpo são chamados de feixe primário, e os que saem são registrados no filme e são chamados de feixe remanescente.
Em função da sua variável capacidade de absorção dos raios X, diferentes partes do corpo são registradas sobre o filme em tons variados de cinza ou contraste. Quanto maior o número atômico dos átomos de um tecido, maior a capacidade de absorver raios X e mais brilhante ele aparece no filme revelado, de modo geral. Alguns exemplos de números atômicos interessantes são:
Osso: 13,8
Músculo: 7,4
Gordura: 5,9
A absorção de raios X é afetada pela espessura do corpo e sua densidade.
O filme radiológico consiste em uma emulsão fixada em uma base de material plástico, que contém em suspensão cristais de Brometo de Prata em material gelatinoso.
Após a exposição, quando o filme é revelado, os cristais expostos à radiação se reduzem a grãos de prata metálica. O filme é fixado através de uma solução de tiossulfito de sódio que dissolve a emulsão de brometo de prata preservando a prata metálica. O filme é então lavado para remover os demais resíduos químicos.
Áreas que sofrerão exposição mais intensa aparecem pretas. Áreas completamente não expostas ficam transparentes. Áreas que sofreram exposição de intensidades intermediárias exibem tonalidades de cinza. Juntos, os contrastes entre tonalidades formam uma imagem inteligível da área radiografada, que pode ser avaliada em grande detalhe com treino e práticas apropriados.
A moderna radiografia consiste de uma folha de filme radiográfico exposta em um chassis, que a mantém em contato com dois ecrans, que são telas capazes de absorver muito mais raios Z que o filme, produzindo fótons de luz que tem maior eficiência na formação da imagem. Desta forma, pode-se usar menor quantidade de raios X para a mesma imagem no filme, minimizando a dose à qual o paciente se submeterá. O temo de exposição é relativamente curto. A imagem resultante é um negativo – isto é, o fundo é preto onde os raios x que a atingem passaram apenas através do ar.
Uma radiografia moderna simples, na qual os raios X são emitidos a partir do tubo, atravessam o paciente e atingem o chassis com o filme em um caminho retilíneo, é referida como um filme plano. A fim de produzir a informação mais útil possível, o técnico que realiza a radiografia ajusta o gerador para produzir raios X adequados para a região do corpo sob estudo. Aumentando a quilovoltagen no gerador, são produzidos raios X de comprimento de onda menores, chamados raios X duros, Raios x duros penetram a matéria mais facilmente e são requeridos para a obtenção de imagens de objetos mais densos e espessos. Raios X moles são apropriados para objetos finos e menos densos.
A duração da exposição também está sob controle do técnico.
Fatores que influenciam na qualidade da imagem
Para que uma radiografia seja de boa qualidade é necessário que se observem critérios de avaliação padronizados, A colocação da parte a ser demonstrada no chassis é feita de forma que toda a anatomia a ser visualizada esteja dentro das bordas colimadas. Não são irradiadas partes desnecessárias.
Os três fatores de exposição: quilovoltagem, milamperagem e tempo de exposição são ,respectivamente, os fatores de controle básico para contraste, densidade e definição ou ausência de nitidez.
· Densidade: É descrita como o grau de enegrecimento da radiografia concluída. O fator primário de controle da densidade é a miliamperagem, que controla a densidade via quantidade de raios x emitidos.
· Contraste: é a avaliação da densidade em áreas adjacentes de uma radiografia ou outro receptor de imagem. O objetivo do contraste é tornar mais visível os detalhes anatômicos de uma radiografia. O fator primário de controle do contraste é a quilovoltagem que controla a energia ou a capacidade de penetração do feixe primário. Deve-se usar a maior quilovoltagem e a menor miliamperagem para proporcionar informação diagnóstica suficiente em cada exame radiográfico.
· Nitidez: é definida pela presença ou não de detalhes. O movimento é o maior impecilho para a nitidez da imagem relacionada ao posicionamento. Combinado a um pequeno ponto focal, um aumento da distância foco-filme e uma diminuição da distância objeto-filme resultam em menor borramento geométrico, que aumentarão os detalhes.
"Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos pequenos começos."